10.10.10

A Branca Mau e os sete Porquinhos - crônica de Pedro Werneck Brandão



Um dia, Chapeuzinho Vermelho encontrou os três porquinhos, a Branca de Neve, os sete anões e o Lobo Mau. Eles queriam aparecer juntos numa história.
Sabendo da idéia da história juntos, o Lobo Mau disse:
- Só aceito esta ideia, se eu comer os três porquinhos!

Ninguém concordou, óbvio, mas teve uma coisa estranha. Não ouviram a voz dos três porquinhos falando que não concordavam, então olharam pra um lado e pro outro pois, claro, eles teriam falado que não, já que não queriam ser alimento de lobo. Depois de olharem para os lados, Chapeuzinho declarou:
- Eles fugiram! Vamos procurá-los! Foi unânime a aceitação da ideia de procurá-los. Mas cada um com um motivo: Chapeuzinho: porque queria muito fazer a história com todos eles juntos. Lobo Mau: queria que eles fossem seu jantar, desse você já sabia, não é? Os sete anões: achavam que eles eram anões também, e vai saber o porquê disso. E a Branca de Neve: achava eles  fofos, então concordou com a ideia de juntar os porcos a ela como se fossem anões.
E lá foram eles procurar, entraram em tudo quanto é lugar e, claro, o Lobo também, soprando tudo, obviamente já com garfo e faca na mão. Depois de uma hora, acharam os três cheios de lama para o Lobo desistir da ideia.
Depois do encontro discutiram sobre como seria a tal história  por muito tempo e Chapeuzinho, espertamente, disse:
- Vocês não acham que depois de toda essa procura aos porcos e tudo isso já não fizemos uma história.
- Verdade - disseram todos ao mesmo tempo.


FIM

Pedro Werneck Brandão tem 10 anos, é  aluno do quinto ano da Escola Sá Pereira.

A atividade proposta pela Professora de Língua Portuguesa, Flávia Lobão, consistiu em escrever, em sala de aula, a partir de uma frase sorteada da “Fábrica de Histórias para Crianças” (cartas como as de um baralho com propostas de textos) um texto em gênero livre.
O segundo momento foi um troca-troca de histórias quando puderam fazer a leitura e apreciação do texto do colega no que diz respeito aos aspectos linguísticos, textuais, gramaticais, assim como aos discursivos, autorais. Apreciaram, discutiram, trouxeram sugestões, fizeram elogios, corrigiram! Os autores contaram com essa riqueza de observações, de diálogo e puderam, assim, rever ou mesmo reescrever passagens das histórias que, depois, foram lidas para todos.

Postar um comentário